Em vídeo, Temer diz que Governo não está ocupado apenas com as “pedras no caminho”

  • Por Jovem Pan
  • 07/07/2017 07h11 - Atualizado em 07/07/2017 11h11
BRA101. BRASILIA (BRASIL), 26/06/2017.- El presidente de Brasil, Michel Temer, participa hoy, lunes 26 de junio de 2017, en una Ceremonia de Sanción de la Ley que regula la Diferenciación de Precio, en el Palacio de Planalto, en la ciudad de Brasilia (Brasil). Temer, que entre hoy y mañana puede ser denunciado formalmente por supuesta corrupción, participó en un acto con empresarios, se mostró sereno y afirmó que "nada" lo "destruirá". EFE/Joédson AlvesO presidente, no entanto, garantiu que voltando a acreditar, o País não pode e não vai parar

O presidente Michel Temer, antes de embarcar para encontro do G20 na Alemanha, gravou um vídeo em Brasília ressaltando os acontecimentos da semana. Segundo ele, produtivos e cheios de boas notícias.

Dados como recuperação da indústria, aumento produção de veículos e aprovação da urgência para a reforma trabalhista no Congresso. Dados que já haviam sido dados pelo porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, nessa semana. O presidente, no entanto, garantiu que voltando a acreditar, o País não pode e não vai parar.

“Por isso eu digo que há motivo para o otimismo. A recuperação é inequívoca. O Brasil é competitivo. Não estamos ocupados apenas com as pedras no caminho. Estamos fazendo a tarefa de casa, estamos fazendo a travessia”, disse. Confira o vídeo abaixo:

Semana positiva

Boa tarde! Estou a caminho da Alemanha para o encontro do G20 – que reúne os presidentes mais influentes do mundo. Levo ótimas notícias sobre a nossa economia: a redução da meta da inflação, a queda contínua dos juros, o melhor resultado da balança comercial dos últimos 29 anos, o aumento na produção industrial, entre muitos outros fatos que são motivo de otimismo. A recuperação brasileira é inequívoca, estamos fazendo a tarefa de casa. O Brasil não vai parar!Leia: http://bit.ly/2tWQWn6

Publicado por Michel Temer em Quinta, 6 de julho de 2017

Vale lembrar que Temer simplesmente ignorou os problemas: a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, a escolha do relator da denúncia na CCJ não tão alinhado ao Palácio do Planalto, e a sinalização de que está avançando as negociações em torno da delação premiada do doleiro Lucio Funaro e do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

*Informações da repórter Luciana Verdolin