Entidades criticam a falta de coordenação nacional e discutem a volta às aulas

  • Por Jovem Pan
  • 10/06/2020 06h22 - Atualizado em 10/06/2020 08h04
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDODurante o debate, os especialistas afirmaram que é preciso observar as diferentes regiões do Brasil para tomar decisões de reabertura

O possível aumento da evasão escolar é uma das principais preocupações de especialistas com relação a volta às aulas presenciais.Representantes de órgãos internacionais ligados à educação destacam que o abandono escolar deve atingir em cheio as classes econômicas mais baixas.

O chefe de Educação do Unicef no Brasil, Ítalo Dutra, ressaltou que as crianças e adolescentes que não têm conexão à internet estão sem acesso a nenhum conteúdo desde março. Para ele, a distância pode fazer com que esses alunos percam o vínculo com as escolas.

O representante da Unicef deu as declarações nesta terça-feira (9), em debate online promovido pela Fundação Getúlio Vargas. No mesmo encontro, a diretora da Unesco no Brasil, Marlova Noleto, disse que a crise econômica é outro fato que pode afastar muitos estudantes da sala de aula.

O chefe da representação da Organização dos Estados Ibero-americanos no Brasil, Raphael Callou, destacou a necessidade da participação da assistência social nesse retorno. Ele afirmou, ainda, que é preciso lembrar que mesmo com os planos de retomada das aulas presenciais, o distanciamento ainda é importante.

Durante o debate, os especialistas afirmaram que é preciso observar as diferentes regiões do Brasil para tomar decisões de reabertura após a pandemia da Covid-19. Para eles, o ideal é que a volta às aulas presenciais seja feita aos poucos, com protocolos de saúde estabilizados, além de assistência emocional a alunos e professores.

*Com informações da repórter Beatriz Manfredini