Epicentro do coronavírus, Wuhan está isolada; entenda como ele se alastrou

  • Por Jovem Pan
  • 27/01/2020 07h06
EFEAté agora, acredita-se que a contaminação com o coronavírus tenha começado em um mercado da cidade

A sétima maior cidade da China tem cerca de 11 milhões de habitantes. A metrópole, que é um dos grandes polos da indústria automotiva do país, vive agora sob o receio da disseminação do coronavírus.

A cidade de Wuhan, além de importante no setor industrial, é uma área essencial para a mobilidade no país. A plataforma aeroportuária da cidade conecta a China com países dos quatro continentes.

A rede de conexão de trens também é uma das características marcante de Wuhan. Com toda essa flexibilidade de fluxo migratório, com a entrada e saída de várias pessoas, a propagação do vírus se torna mais fácil.

A movimentada cidade está agora em quarentena.

As autoridades pediram que os moradores de Wuhan não saiam da região e solicitaram que visitantes não embarquem para lá.

Até agora, acredita-se que a contaminação com o coronavírus tenha começado em um mercado em Wuhan, que vendia de forma ilegal carne de animais silvestres. Com a intensa demanda, os hospitais têm encontrado dificuldade de dar assistência a toda população.

Por isso, a China anunciou que está sendo construído um novo hospital com mil leitos para atender exclusivamente as vítimas do coronavírus.

O gerente de obras responsável pela construção, disse que quer muito voltar para casa, mas afirmou que há uma luta contra o vírus e que, no momento, a mão de obra dos trabalhadores é fundamental.

O governo informou neste fim de semana que será construído um segundo centro de tratamento para as pessoas infectadas.

A expectativa das autoridades chinesas é de que a primeira construção fique pronta no dia 3 de fevereiro.

*Com informações da repórter Camila Yunes