EUA fazem pedido ao Brasil para aumentar produção de petróleo, e Petrobras nega

Estatal alegou que a solicitação é inviável; departamento de estado norte-americano diz estar fazendo o possível para mitigar impactos econômicos da guerra entre Rússia e Ucrânia

  • Por Jovem Pan
  • 11/05/2022 11h58 - Atualizado em 11/05/2022 13h25
ALLISON SALES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Vista da sede da Petrobras no Rio de Janeiro (RJ) Fachada da empresa estatal brasileira Petrobras, responsável pela maior parte da produção de petróleo do país

Representante do governo dos Estados Unidos consultaram recentemente o Brasil sobre a possibilidade do país aumentar a produção de petróleo. Pedido que acabou não sendo acolhido. A notícia foi dada, inicialmente pela agência internacional de notícias Reuters e confirmada em seguida pela Jovem Pan. Era março deste ano quando houve esta consulta, no início da guerra entre a Rússia e Ucrânia. Grandes consumidores globais de petróleo e derivados, os EUA estavam preocupados com a oferta de óleo e também com os presos, que continuam elevados e empactando o bolso de consumidores no Brasil e de todo mundo. Essa consulta, inicialmente foi feita do Departamento de estado dos Estados Unidos para o governo brasileiro. Depois teria descido um degrau e chegado até a Petrobras, que é a grande responsável pela produção de petróleo e gás em todo o país. A negativa teria sido dada pela estatal. Executivos da empresa teriam dito que é a estratégia de produção não se baseia pela diplomacia, mas por um planejamento e que, no curto prazo, era impossível aumentar a oferta de petróleo para atender o anseio norte-americano.

O departamento de estado dos EUA se pronunciou sobre a notícia, veiculada nas últimas horas, e não negou a consulta ao governo brasileiro. Porém, não entrou em detalhes: “Estamos fazendo todo o possível com os nossos aliados e parceiros para mitigar os impactos econômicos nas ações russas em outras economias, como o Brasil”, disse um representante do governo dos EUA. A Petrobras tem planos para aumentar cada vez mais a sua produção nacional de óleo e gás, mas a partir de um planejamento. A perspectiva da estatal é que, nos próximos cinco anos, a produção de petróleo no país aumente na casa de 0,5 milhão de barris ao dia.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga