EUA podem voltar a comprar carne brasileira “em um horizonte de 30 a 60 dias”, crê ministro

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2017 06h30 - Atualizado em 18/07/2017 10h40
BRA103. LAPA (BRASIL), 21/03/2017 - El Ministerio de Agricultura de Brasil, Blairo Maggi, realiza una inspección técnica al grupo cárnico JBS Seara en la ciudad de Lapa, estado de Paraná, Brasil, hoy martes 21 de marzo de 2017. Según la policía, varias de las principales cárnicas del país, entre ellas JBS y BRF, con la complicidad de fiscales sanitarios corruptos, "maquillaron" con productos químicos carnes que estaban en mal estado y no cumplían con los requisitos para la exportación.EFE/Joédson AlvesMinistro da Agricultura durante vistoria na produção de carne em fábrica da JBS Seara em Lapa, na época da Operação Carne Fraca

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, acredita que os Estados Unidos podem voltar a comprar carne brasileira em um prazo de 30 dias. Ele se reuniu nesta segunda-feira (17) com o secretário de Agricultura norte-americano para tratar sobre o embargo anunciado no fim de junho.

A decisão ocorreu após serem encontrados abscessos em algumas peças, causados pela vacina contra a febre aftosa.

Blairo Maggi explicou que não há nenhuma objeção política para que os Estados Unidos retomem as importações. Ele acredita que as medidas que foram adotadas pelo Governo brasileiro são suficientes para que a ligação comercial entre os dois países seja restabelecida.

“As mudanças são na forma de como mandar essa mercadoria. Como estávamos mandando em peças maiores, é possível que abcessos só fossem observados no momento que a carne fosse retalhada”, explicou.

O ministro ressaltou que a exportação de carne bovina para os Estados Unidos poderá ser retomada em um prazo de 30 a 60 dias: “duro dar prazo, mas penso que o mais rápido possível. Um horizonte de 30 a 60 dias, acho que é possível”.

Blairo Maggi disse ainda que os norte-americanos demonstraram preocupação com o fato de ter sido detectada a presença de osso. Países livres da febre aftosa com vacinação, como é o caso do Brasil, não podem exportar peças com osso.

Segundo ele, com as mudanças, será possível detectar este tipo de problema de forma mais rápida. O ministro afirmou também que o Ministério da Agricultura está preparado para substituir auditores que poderão ser acusados na delação da JBS de recebimento de propina.

*Informações do repórter Anderson Costa