Eunício: projeto sobre jogos de azar só tem sentido se impostos beneficiarem a sociedade

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2017 06h17 - Atualizado em 30/11/2017 06h17
Marcelo Camargo/Agência BrasilAs estimativas são de que a legalização de cassinos, bingos e apostas eletrônicas seria responsável por um aumento na arrecadação de tributos de mais de R$ 29 bilhões, em um período de três anos

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), disse nesta quarta-feira (29) que o projeto que amplia a legalização de jogos de azar “só tem sentido se os impostos forem beneficiar a sociedade”.

O texto do senador Ciro Nogueira (PP-PI), autoriza a exploração de jogos online ou presenciais em todo o território nacional. A matéria está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

O presidente da CCJ, Edison Lobão (PMDB-MA), marcou a votação do projeto para a próxima quarta-feira (6).

De acordo com Eunício, essa não é uma pauta prioritária do Congresso: “se ela estiver vinculada a recursos que sejam em benefício da sociedade e não apenas para legalizar esse mundo empresarial que vive na clandestinidade não tem sentido a pauta. Só tem sentido se os impostos estiverem vinculados a algo que vai beneficiar a sociedade”.

As estimativas são de que a legalização de cassinos, bingos e apostas eletrônicas seria responsável por um aumento na arrecadação de tributos de mais de R$ 29 bilhões, em um período de três anos.

Especialistas no setor afirmam que o jogo do bicho, considerado ilegal, movimenta anualmente R$ 12 bilhões, com apostas sem nenhum tipo de supervisão do Estado.

Atualmente, as apostas legalizadas no País se restringem à Loteria da Caixa, que arrecadou R$ 12,8 bilhões em 2016.

*Informações do repórter Arthur Scotti