Ex-ministro de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni critica medidas anunciadas por Lula no 1º de Maio

Em entrevista à Jovem Pan News, o político, que já foi encarregado do Ministério do Trabalho e Previdência, defendeu simplificações na legislação para gerar mais empregos

  • Por Jovem Pan
  • 02/05/2023 09h42 - Atualizado em 02/05/2023 09h42
Carolina Antunes/PR Onyx Lorenzoni Onyx Lorenzoni é ex-ministro do governo de Jair Bolsonaro

Em entrevista à Jovem Pan News, o ex-ministro do Trabalho e Previdência do governo de Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, criticou as medidas anunciadas pelo atual governo neste 1º de Maio, Dia do Trabalhador. O político destacou que, em apenas quatro meses de gestão o trabalhador brasileiro já pode enxergar a diferença entre os dois governos. O ex-ministro lembrou que no governo passado foi registrado o menor índice de informalidade e que a preocupação era simplificar a legislação, para além de proporcionar programas de garantia de emprego e renda: “Nós trabalhávamos para transformar a vida das pessoas, simplificar a vida das pessoas. A lei de liberdade econômica, digitalização do governo e simplificação das normas (…) Temos que buscar um caminho de modernização, e não voltar para o imposto sindical e todas essas outras coisas que, lamentavelmente, muitas lideranças do atual governo apontam como um caminho. Na verdade é uma volta para o passado que não vai a lugar nenhum”.

Para Lorenzoni, o mundo do trabalho precisa de equilíbrio e políticas públicas para atender a todos: “Não podemos esquecer que temos mais de 6 milhões de pessoas que nem estudam e nem trabalham (…) O que nós precisamos é abrir portas para as pessoas, e não fechar portas. Ninguém vai fazer do país uma república sindical”. O presidente Lula (PT) anunciou a criação de um grupo de trabalho para elaborar uma proposta de regulamentação das atividades de entregadores e motoristas de aplicativos. De acordo com o ex-ministro, esse tipo de trabalho não se encaixa na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), legislação que completou 80 anos no feriado. Para Onyx Lorenzoni, é preciso encontrar um caminho para que haja proteção previdenciária e estímulo a este tipo de atividade.

*Com informações do repórter Misael Mainette

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.