Ex-policial que matou homem negro a tiros em Atlanta é acusado de 11 crimes

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2020 06h41 - Atualizado em 18/06/2020 08h15
EFE/EPA/ERIK S. LESSERA morte de Rayshard Brooks levou a novos protestos nos Estados Unidos, na sequência da onda de manifestações pela morte de George Floyd

O ex-policial branco, Garrett Rolfe, que matou a tiros o americano Rayshard Brooks recebeu 11 acusações incluindo a de homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Rolfe foi demitido após filmagens mostrarem ele atirando várias vezes em Brooks, de 27 anos, enquanto ele fugia.

O caso aconteceu em uma lanchonete em Atlanta, nos Estados Unidos na última sexta-feira (12). Na ocasião, a polícia foi chamada devido a uma queixa de que um homem havia adormecido no carro e estaria bloqueando a pista do drive-thru.

Os vídeos das câmeras ligadas ao uniforme dos policiais mostram Brooks cooperando com os agentes por mais de 40 minutos, antes do confronto começar quando os policiais tentaram algemá-lo.

Brooks lutou com os policiais, pegou uma das armas de choque e apontou para um deles enquanto corria pelo estacionamento. Um vídeo também revelou que o policial deu um chute em Brooks quando ele já estava no chão, sangrando, o que constitui um agravante.

Se condenado especificamente por homicídio doloso, Garrett Rolfe poderá pegar prisão perpétua sem direito a liberdade condicional ou pena de morte.  O segundo policial que participou da ação, Devin Brosnan, foi colocado em serviço administrativo.

Ambos receberam um prazo até às seis horas da tarde desta quinta-feira (18) para se entregarem. Como Brosnan irá cooperar no caso, ele poderá ter uma fiança estabelecida em 50 mil dólares; já Garrett Rolfe pode ter o direito a fiança negado.

A morte de Rayshard Brooks levou a novos protestos contra a violência policial nos Estados Unidos, na sequência da onda de manifestações desencadeada pela morte de George Floyd, em maio.  O restaurante onde Brooks foi baleado chegou a ser incendiado por manifestantes no último sábado (13).

*Com informações da repórter Letícia Santini