Exército promove ações para intensificar fiscalização sobre explosivos

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2017 07h23 - Atualizado em 18/09/2017 10h52
O Exército Brasileiro, responsável por controlar o uso de explosivos no País, cria mecanismos para coibir ações como as de explosão de caixas eletrônicos

As ações criminosas parecem seguir um roteiro: rapidamente, carros cercam as agências bancárias e homens fortemente armados instalam explosivos e levam o dinheiro de caixas eletrônicos, fugindo em seguida.

Os casos de furtos a esses estabelecimentos estão pulverizados pelo País e levam pânico, sobretudo, a cidades pequenas.

No dia 1º de agosto, quadrilhas explodiram caixas eletrônicos em sete agências bancárias das cidades de Monsenhor Paulo e Alterosa, no Sul de Minas, Formiga, na Região Central e Gameleiras, no Norte mineiro.

Nesta quinta-feira, um caixa eletrônico foi explodido por assaltantes em Uberlândia.

Na madrugada desta sexta-feira, pelo menos outras duas grandes ações: na primeira, uma quadrilha armada explodiu vários caixas eletrônicos em Boa Esperança do Sul, interior paulista.

Na outra, um grupo de homens armados explodiu e levou dinheiro de ao menos dez caixas eletrônicos após fechar uma rua com um ônibus no Centro de Juquitiba, na Grande São Paulo.

O Exército Brasileiro, responsável por controlar o uso de explosivos no País, cria mecanismos para coibir essas ações.

O coronel Edgard Souza, da área de fiscalização de produtos controlados do Comando Militar do Sudeste, diz que as operações têm sido intensificadas desde as olimpíadas: “só para exemplo, tivemos em março a Operação rastilhos onde foram verificadas 13 toneladas de nitrato de amônio”.

Segundo o coronel Edgard, é possível ver êxito nas ações, pelo esforço em conjunto com diversas agências e entes governamentais

Reuniões com empresas que atuam com explosivos e grandes operações também têm sido realizadas pelo Exército Brasileiro.

O coronel Edgard acrescentou que até mudanças nas normas estão sendo preparadas para isso: “ela trata da necessidade e o que a empresa deve apresentar agora em documentação”.

Somente na semana passada, em uma operação, o Exército Brasileiro fiscalizou 198 empresas que realizam atividades com explosivos e autuou oito por alguma irregularidade.

*Informações do repórter Fernando Martins