Fachin decide manter Joesley Batista e Ricardo Saud em prisão preventiva

  • Por Jovem Pan
  • 15/09/2017 06h37 - Atualizado em 15/09/2017 11h54
Na decisão, Fachin considerou a possibilidade de os executivos destruírem provas e voltarem a cometer crimes

O ministro Luiz Edson Fachin decidiu manter, agora por prazo indeterminado, as prisões de Joesley Batista e Ricardo Saud.

Os dois, portanto, seguem presos na Polícia Federal em Brasília. Eles deveriam ter sido libertados nesta quinta-feira (14), ao terminar o prazo da prisão temporária decretada na semana passada pelo ministro da Suprema Corte.

Nesta quinta, além de denunciar os executivos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também pediu para que eles permanecessem na cadeia, convertendo a prisão temporária em preventiva.

Na decisão, Fachin considerou a possibilidade de os executivos destruírem provas e voltarem a cometer crimes. O ministro, também, levou em conta outra ordem de prisão, decretada contra Joesley nesta semana, ter lucrado junto do irmão com a negociação de ações antes de assinar a delação premiada.

Joesley Batista e Ricardo Saud se entregaram no último domingo, em São Paulo, e foram transferidos para Brasília no dia seguinte, onde seguem presos.

*Informações do repórter Felipe Palma