Falta de cobertura vacinal e incidências de sarampo preocupam o Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 19/07/2018 07h01 - Atualizado em 19/07/2018 07h03
Altemar Alcantara/SemcomBrasil já registra 677 casos de sarampo; 2.724 estão sob investigação

Os casos de sarampo no Brasil subiram 42% em apenas 20 dias. De acordo com o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, o país registrou 677 casos e outros 2.724 estão sob investigação. A incidência da doença foi observada em seis estados, sendo que dois apresentam surto: Amazonas e Roraima.

Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações,  Isabella Ballalai, depois que o país recebeu a certificação da eliminação de sarampo, uma parte da população deixou de imunizar as crianças. A especialista explica que o problema está na baixa cobertura da vacinação contra a doença. “Para mantermos o sarampo eliminado precisamos de 95% da cobertura. Mas quando se recebe um estrangeiro, como aconteceu, com sarampo e essa pessoa encontra não vacinadas, a gente volta a ter casos”, revelou.

O sarampo é contagioso e é caracterizado por um quadro gripal, que evolui para febre alta e manchas no corpo e pode levar ao óbito.

De acordo com o Ministério da Saúde, felizmente nenhuma morte por sarampo foi registrada no Brasil. Em relação à gripe, o último boletim epidemiológico da pasta revelou que o país alcançou a meta de vacinação de 90%. Apesar do número, o Ministério ainda se preocupa com a baixa cobertura entre gestantes e crianças com menos de 5 anos.

A campanha atingiu cerca de 77% desses grupos, número considerado baixo pela doutora Isabella Ballalai. “É uma cobertura baixa. Quanto menos gente menos vacinada mais circulação do vírus a gente tem. As gestantes fazem parte desse grupo que mais vai ao óbito por Influenza. As crianças menores de 2 anos são as que mais hospitalizam por Influenza“, ressaltou.

Até a última segunda-feira (16) foram registrados 4.680 casos de gripe no Brasil, com 839 mortes. Desse total, 567 óbitos foram por H1N1, 140 pelo vírus H3N2 e 41 por influenza B.

*Com informações da repórter Nanny Cox