Feira Literária de Paraty debate temas da obra de Hilda Hilst

  • Por Jovem Pan
  • 25/07/2018 08h26
Correio da Manhã/Arquivo Nacional/Creative CommonsHilda Hilst nasceu em 1930 em Jaú e morreu em 2004 em Campinas, no interior de São Paulo, aos 73 anos

Começa nesta quarta-feira (25) a décima sexta edição da Festa Literária de Paraty, a Flip. O evento iniciado em 2004 já é considerado um dos principais festivais literários da América do Sul.

A homenageada desta edição será a paulista Hilda Hilst que se dedicou à literatura nas mais variadas formas como poesia, prosa, teatro e crônica.

Nascida em Jaú , no interior de São Paulo, em 1930, a escritora era formada em Direito pela Universidade de São Paulo e estreou na literatura aos 20 anos, com o livro de poemas “Presságio”.

As mesas e debates da Flip vão tratar de temas relacionados às obras de Hilda Hilst, como “amor”, “sexo”, “finitude”, “Deus” e “morte”.

A curadora da Flip 2018, a jornalista Joselia Aguiar, explica a escolha da homenageada:

“Jovens leitores veem na Hilda uma figura muito impressionante e uma obra muito densa”, disse em entrevista a Paula de Carvalho na Jovem Pan. “Eu creio que os leitores de hoje talvez estejam mais abertos a alguma estranheza que possa existir na literatura, que é uma literatura que trabalha com questões muito fortes, íntimas, essenciais, como amor, morte, Deus, o que está além e o que nos faz viver”.

Joselia Aguiar disse que quem não puder ir à festa literária neste ano poderá ter acesso aos conteúdos no site do evento. Joselia explicou ainda que quem não conseguir ingresso e quer ir a Paraty encontrará “coisas interessantes para fazer sem precisar”, além de poder assistir aos principais eventos da Flip gratuitamente do auditório da praça.

A 16ª Festa Literária Internacional de Paraty contará com 33 convidados nacionais e internacionais. Com cerca de 40 mil habitantes, Paraty deve receber cerca de 20 mil turistas até o próximo domingo, último dia do evento.

Com informações de Afonso Marangoni ao Jornal da Manhã