Flávio Bolsonaro quer ser ouvido por videoconferência no caso das ‘rachadinhas’

  • Por Jovem Pan
  • 04/07/2020 10h42 - Atualizado em 04/07/2020 10h44
Tânia Rêgo/Arquivo/Agência BrasilO senador tem prerrogativa de foro por função e pode negociar uma data e um local mais adequado para ser ouvido

O senador Flávio Bolsonaro vai prestar depoimento no âmbito das investigações sobre a rachadinha da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Segundo informação da advogada do parlamentar, Luciana Pires, há uma negociação para que o interrogatório aconteça por videoconferência.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) intimou o parlamentar, e sua esposa, a prestarem depoimento na próxima semana, determinando o dia seis ou sete de julho para o comparecimento. Inicialmente, a defesa de Flávio Bolsonaro contestou a competência do órgão para essa oitiva, uma vez que a investigação da rachadinha, que teria acontecido no gabinete de Flávio durante seu período como deputado estadual da Assembleia, saiu da primeira para a segunda instância da Justiça fluminense.

O MPRJ alega que está apto e autorizado para fazer o interrogatório. “Não há impasse, estamos definindo uma data”, afirmou a Luciana Pires, advogada do filho do presidente Jair Bolsonaro. O senador tem prerrogativa de foro por função e pode negociar uma data e um local mais adequado para ser ouvido. “O Ministério Público nos deu opções, estamos vendo agenda e será por videoconferência”, complementou a advogada.

O Ministério Público do Rio de Janeiro investiga mais de 20 parlamentares suspeitos de terem praticado a famosa “rachadinha” em seus gabinetes da Alerj. A primeira denúncia foi oferecia pelo MP fluminense nesta semana contra o deputado Márcio Pacheco. Assessores do parlamentar e o próprio deputado teriam movimentado R$ 25 milhões em recursos que poderiam ter vindo da chamada prática da rachadinha.

Márcio Pacheco nega que tenha cometido o crime de peculado e disse que tinha prestado todas a informações necessárias ao Ministério Público. Por isso, disse ter sido pego de surpresa com a denúncia.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga