Flávio Rocha justifica desistência de candidatura: “imaginei que o ‘gigante’ tivesse despertado”

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2018 08h37
João Henrique Moreira/Jovem Pan“Eu tenho sensação do dever cumprido, eu que imaginei um diagnóstico, varejo permite enxergar de forma privilegiada o que está acontecendo. Eu imaginei que o gigante tivesse despertado", disse

O empresário Flávio Rocha desistiu na última semana de concorrer à Presidência na eleição deste ano. Ao dizer, em vídeo, que tem a sensação de “dever cumprido”, ele defendeu a necessidade de “um único projeto de convergência” de candidatos de centro.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o empresário acrescentou que imaginava que o “gigante tivesse despertado”, mas como isso não ocorreu, ele desistiu de sua candidatura, e não concorrerá ao pleito por outro partido.

“Eu tenho sensação do dever cumprido, eu que imaginei um diagnóstico, varejo permite enxergar de forma privilegiada o que está acontecendo. Eu imaginei que o gigante tivesse despertado. O ‘gigante’ são os 98% da população que pagam a farra estatal, que são os prejudicados pela disfunção do Estado que se agiganta e se distancia do seu propósito”, disse.

Flávio Rocha defendeu que essa é a hora de replanejar o Estado e que voltará a preencher a luta que havia deixado para concorrer ao Palácio do Planalto com o movimento Brasil 200.

“Acho que não chegou o momento do gigante despertar. O gigante são os que puxam a carruagem, suam a camisa, quando vi mais uma farra de R$ 100 bilhões aprovados, estava debruçado para fazer discurso, indignado”. Sobre a aprovação da pauta-bomba, Flávio Rocha classificou como “gota d’água que fez transbordar o copo”, mas que a ideia de desistência de sua candidatura já vinha sendo amadurecida.

Sobre um suposto movimento do PRB para retirar sua candidatura, Flávio Rocha negou: “o PRB foi absolutamente firme, se manifestou peremptoriamente, fizeram apelo para que eu continuasse, mas imaginei que deveria voltar à vida empresarial, ao campo das ideias e não no proselitismo político. É momento de defender ideário, e não projeto político”.

Confira a entrevista completa com o empresário Flávio Rocha: