França cita promessa a vice de ‘não ir ao PT’ e diz que ficará neutro em relação à disputa presidencial

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2018 06h52
Maurício de Souza/Estadão Conteúdo"Eu dei a minha palavra para a coronel Nikoluk quando ela aceitou ser vice de que eu faria movimento de não ir ao PT, por isso ela aceitou ser vice", disse

Neutralidade. Esta é a postura que será adotada por Márcio França em relação a um possível apoio na corrida presidencial. Para o candidato à reeleição ao governo de São Paulo pelo PSB, é preciso alcançar uma alternativa de sobrevivência.

“Se depender de mim a gente não vai apoiar, porque São Paulo tem que fazer unidade e a unidade não é a da divergência. Eu dei a minha palavra para a coronel Nikoluk quando ela aceitou ser vice de que eu faria movimento de não ir ao PT, por isso ela aceitou ser vice. Como vocês me conhecem sou de cumprir palavra”, disse.

França disparou contra seu oponente João Doria (PSDB) dizendo que ele é despreparado: “sabe que tem despreparo. Mas não faz por mal, as opções da vida dele foram acumular fortuna, ele fez isso com alguma competência e eu não o critico por isso, são opções de vida, e não foi a minha”.

Márcio França confia em apoios no segundo turno e se disse melhor preparado para seguir comandando o maior estado da federação.

Confira a cobertura completa das Eleições 2018

*Informações do repórter Daniel Lian