Garcia diz que vice deve vir do MDB e faz aceno a Edson Aparecido

João Doria defende que chapa seja composta pelo ex-secretário da Fazenda Henrique Meirelles

  • Por Jovem Pan
  • 08/04/2022 10h25
Joel Nogueira/Estadão Conteúdo Rodrigo Garcia Rodrigo Garcia é o atual governador do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), sinalizou que o MDB vai indicar o vice para a chapa nas eleições. O partido disputa com o União Brasil a escolha que vai sair como vice de Garcia. O ex-secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, que deixou o PSDB e se filiou ao MDB na semana passada, durante o período de janela partidária, é um dos cotados para o posto, bem como o ex-secretário da Fazenda, Henrique Meirelles, defendido pelo pré-candidato à presidência, João Doria (PSDB).

Rodrigo Garcia fez elogios a Aparecido, mas disse que a chapa só será confirmada em julho. “O Edson é uma grande figura, um amigo pessoal, inclusive, de muitos e muitos anos no parlamento do Estado, no parlamento federal. Fomos colegas-secretários na época do governador Alckmin, enfim, temos muitas afinidades e, naturalmente, é um grande nome e o MDB, formalizando isso no momento certo… óbvio que nós vamos discutir juntos. E o prefeito e o MDB terão um papel primordial nisso”, disse o governador. A declaração foi dada após um encontro com o prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), agendado como forma de homenagear o ex-prefeito Bruno Covas, que faria 42 anos nesta última quinta-feira, 7.

Esse foi o primeiro encontro do prefeito Ricardo Nunes com o governador Rodrigo Garcia depois que este assumiu o posto no Palácio dos Bandeirantes. Com a presença de secretários, as autoridades discutiram a integração em programas sociais e ambientais. “Forçar essa questão, da operação integrada das águas, pelo menos mais cinco equipes da polícia militar e da ambiental, que o governo do Estado vai ceder para a prefeitura, para poder reforçar a fiscalização, ocupação de margem de córrego… 1459 vagas de hotel que o Estado transfere para a prefeitura, 50 milhões, para nós ampliarmos para as pessoas em situação de rua”, comentou Nunes. O prefeito, o governador e os secretários devem se reunir novamente em maio para acompanhar o andamento das ações.

*Com informações da repórter Nanny Cox