Geddel é condenado por pressionar ministro de Temer para favorecê-lo

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2020 06h24 - Atualizado em 01/04/2020 08h45
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoO ato ilícito teria sido cometido em junho de 2016. Geddel Vieira Lima, segundo o MP, queria o aval do Iphan para a liberar a construção de um prédio de alto padrão em Salvador, capital da Bahia

A Justiça Federal em Brasília condenou o ex-ministro da secretaria de governo Geddel Vieira Lima por improbidade administrativa.

O político foi alvo de ação civil pública apresentada pelo Ministério Público em que é acusado de pressionar o então ministro da cultura Marcelo Calero para obter um parecer favorável a liberação de um empreendimento por parte do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Na época, tanto Calero quanto Geddel eram ministros do governo do ex-presidente da república, Michel Temer.

O ato ilícito teria sido cometido em junho de 2016. Geddel Vieira Lima, segundo o MP, queria o aval do Iphan para a liberar a construção de um prédio de alto padrão em Salvador, capital da Bahia.

Desde a denúncia, ele nega as acusações de ter pressionado o colega. Em nota, a defesa classificou a decisão como “teratológica e disparatada”, e informou que irá recorrer.

A sentença prevê: suspensão dos direitos políticos por cinco anos; pagamento de multa de 10 vezes o valor da remuneração que Geddel recebia no cargo; e proibição de fazer contratos com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais por três anos.

*Com informações do repórter Daniel Lian