Google, Facebook, Twitter e WhatsApp aderem, nesta terça, programa do TSE contra fake news

  • Por Jovem Pan
  • 22/10/2019 06h50
Pillar Pedreira/Agência SenadoMedida mira próximas eleições

Gigantes da internet já se movimentam em relação às eleições do ano que vem. De olho no pleito presidencial dos Estados Unidos, o Facebook anunciou, nesta segunda-feira (21), medidas para combater a disseminação de fake news. As iniciativas visam aumentar a transparência, combater à interferência estrangeira e reduzir a desinformação.

A rede social também removeu quatro operações que disseminavam notícias falsas financiadas por Rússia e Irã. Segundo o Facebook, a remoção ocorreu baseada no método da operação e não no conteúdo das postagens. Um programa também vai proteger as contas de candidatos, funcionários eleitos e as equipes contra a ação de hackers.

No mês que vem, a gigante de Marck Zuckerberg pretende implementar ainda um sistema que irá coibir boatos no Instagram. Fotos e vídeos serão analisados por checadores independentes e poderão receber uma tarja, como já ocorre com conteúdos violentos. Além disso, um link para as apurações externas estará disponível junto às postagens.

No Brasil, Google, Facebook, Twitter e WhatsApp vão aderir nesta terça-feira (22) ao Programa de Enfrentamento à Desinformação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A adesão será oficializada em uma cerimônia no Gabinete da Presidência do Tribunal, em Brasília, com a presença da presidente da Corte, ministra Rosa Weber.

Segundo o TSE, o programa passará a contar com 40 instituições parceiras no desenvolvimento e execução de ações conjuntas capazes de reduzir os efeitos negativos da desinformação nas próximas eleições.

*Com informações da repórter Natacha Mazzaro