Governador do RN diz que é direito sagrado do policial receber salário em dia, e pede fim de greve

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2018 06h24
Marcelo Camargo/Agência BrasilO governador acrescentou que não pediu a prisão dos grevistas, solicitou que a greve acabasse, porque de acordo com a lei brasileira não é permitida paralisação policial

Com a greve há mais de 20 dias de bombeiros e policiais militares e civis no Rio Grande do Norte, o governador Robinson Faria falou pela primeira vez sobre o tema. O político reconheceu o direito da categoria e disse que é direito sagrado do policial receber salário em dia e do cidadão ter segurança.

O governador acrescentou que não pediu a prisão dos grevistas, solicitou que a greve acabasse, porque de acordo com a lei brasileira não é permitida paralisação policial.

Robinson Faria disse ainda que prestigiou a polícia com aumentos e promoções durante seu mandato, e que espera que o movimento seja finalizado após o pagamento dos salários de dezembro que, segundo ele, deve ser efetivado entre os dias 11 e 12 de janeiro.

Ele reivindicou ao presidente Michel Temer a renovação da presença das Forças Armadas no Rio Grande do Norte. Desde o dia 30 de dezembro, 2,8 mil homens das Forças Armadas reforçam a segurança no Estado.

Para Faria, o decreto de calamidade na segurança pública vai servir para facilitar a compra de equipamentos que melhorem as condições de trabalho dos servidores. Ele quis se defender dizendo que não foi ele quem quebrou o Rio Grande do Norte e nem o Brasil.

A Justiça considerou o movimento ilegal e determinando o retorno ao trabalho, bem como a prisão de militares que incentivassem a paralisação, mas as categorias permaneceram em greve.

*Informações do repórter Daniel Lian