Governadores do PSDB pedem que estados e municípios continuem na Previdência

O encontro reuniu os governadores de São Paulo, João Doria, do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, além do relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira, e do líder da bancada, Carlos Sampaio

  • Por Jovem Pan
  • 04/06/2019 07h04
DivulgaçãoGovernadores do PSDB se reuniram nesta segunda-feira (3) com o relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira, e com o líder da bancada, deputado Carlos Sampaio, para pedir a permanência de estados e municípios na proposta de reforma da Previdência federal.

Governadores do PSDB se reuniram nesta segunda-feira (3) com o relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira, e com o líder da bancada, deputado Carlos Sampaio, para pedir a permanência de estados e municípios na proposta de reforma da Previdência federal.

Caso o Congresso tire esses entes federativos do texto, os governadores e prefeitos teriam que apresentar aos legislativos locais propostas próprias de mudanças nas aposentadorias dos servidores públicos.

O encontro reuniu os governadores de São Paulo, João Doria, do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.

Doria afirmou que os tucanos estão procurando articular com as bancadas do PSDB e aliados. “Vamos trabalhar as bancadas dos partidos de coalizão, que dão apoio aos governos dos três estados, estão também sendo acionadas pelos três governadores para que igualmente, ao lado do PSDB, apoiem a reforma da Previdência e apoiem a manutenção de estados e municípios na reforma.”

O governador João Doria disse ainda que nesta semana o presidente do PSDB, Bruno Araújo, vai articular o fechamento de questão no partido para aprovação da reforma.

O PSDB possui trinta deputados federais, sendo que três representam o Mato Grosso do Sul, dois o Rio Grande de Sul e seis representam São Paulo

O governador gaúcho, Eduardo Leite, disse não ter medo de usar capital político para promover uma mudança na previdência própria do estado, mas que o desgaste inviabilizaria outras reformas também necessárias para o governo.

“Todos os brasileiros pagam a conta daquele estado que não fez a sua lição de casa. Por isso que é tão importante haver essa unicidade na consolidação de uma nova Previdência. E não parto para nenhum plano B antes de esgotarmos a possibilidade do plano A”, disse.

Já o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja admitiu que pode ser preparado uma proposta estadual, caso as federações sejam excluídas, embora apoie a permanência dos estados na reforma federal.

O relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira, afirmou que manutenção de estados e municípios no texto é um dos pontos que ainda está sendo acertado, junto com a capitalização. Mas reforça que a permanência é a melhor opção.

“Eu não acredito que haja, ainda não encontrei, uma solução que pudesse resolver o problema da Previdência do país de uma vez só como a de incluir estados e municípios junto com a reforma do governo federal.”

O deputado ainda afirmou que vai se reunir com a oposição nesta semana, na tentativa de construir um modelo de relatório que possa ser aprovado. Samuel Moreira discordou da fala do secretário do tesouro Mansueto Almeida de que seria importante os governadores irem a Brasília pressionar os deputados e afirmou que o importante é manter o diálogo.

O relator também disse que o texto deve ser apresentado entre esta quinta e a próxima segunda-feira, dia 10.

*Com informações da repórter Victoria Abel