Governadores e deputados estaduais não são ‘enfeites’ e precisam apoiar Previdência, diz líder do PSL na Câmara

  • Por Jovem Pan
  • 09/07/2019 09h24 - Atualizado em 09/07/2019 10h02
ANDRE DUSEK/ESTADAO Delegado Waldir crê que reforma é uma questão que vai além da oposição política

O deputado federal Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara dos Deputados, reforçou a necessidade de apoio dos governadores e deputados estaduais na reforma da Previdência. Em entrevista ao Jornal da Manhã nesta terça-feira (9), ele voltou a dizer que esses políticos precisam imprimir suas digitais na proposta para uma possível reinclusão dos estados e municípios no texto mais para frente.

“A responsabilidade por uma reforma desse tamanho não deve ser apenas vertical, de cima para baixo. Os deputados estaduais e governadores precisam ter o mesmo compromisso que os federais e senadores têm. Eles não são menos agentes públicos, não são enfeites. Precisam vir mostrar compromisso com o país e encarar o problema de frente”, declarou.

Para Waldir, alguns líderes, principalmente de oposição, estão fechando os olhos para a crise financeira dos estados. Segundo ele, a reforma é uma questão que vai além da política. “Os governadores de oposição não querem dar fotos. Parece que o Nordeste está em excelente condição financeira, né? Além de não trabalhar pela reforma, eles trabalham contra”, disse.

Votação

Sobre a votação da reforma, prevista para começar ainda hoje no plenário da Câmara, o parlamentar está otimista. Ele explicou que acordos foram feitos para que deputados não apresentem destaques, questão que foi fechada inclusive com o centrão. Waldir ressaltou, ainda, que pediu para que parlamentares “suspendessem voos marcados entre quinta e sábado, em razão do compromisso que temos com o Brasil de aprovar a nova Previdência.”

O líder do PSL acredita que o texto principal será aprovado ainda hoje e que a votação em segundo turno pode começar já na sexta-feira (12). Isso porque, para ele, após as votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na comissão especial, os parlamentares estão “mais fortes e com mais convicção para votação em plenário.”

Waldir acredita que o apoio popular, manifestado no dia 30 de junho em atos pelo País, também ajudará na aprovação. “Pela primeira vez na história a reforma da Previdência tem apoio popular, isso sensibiliza os parlamentares, disse, acrescentado que o placar nas votações anteriores mostra que “temos parlamentares comprometidos com pessoas mais pobres, que querem mudar o país e acabar com privilégios.”