Governistas elogiam atuação de Guedes na CCJ, mas falam em desgaste após sessão

  • Por Jovem Pan
  • 04/04/2019 06h37 - Atualizado em 04/04/2019 10h14
Cleia Viana/Câmara dos DeputadosNesta quinta-feira (04), a CCJ deve receber grupos de juristas favoráveis e contrários à reforma da Previdência para discutir a constitucionalidade da matéria

A tumultuada audiência do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara pouco ajudou o Governo a conquistar apoio para a reforma da Previdência. Foi o que disseram a maioria dos líderes partidários da Casa.

A atuação do ministro foi elogiada por parlamentares de centro e centro-direita, além dos governistas, mas eles acreditam que a sessão provocou um desgaste desnecessário para Guedes, como afirmou o líder do DEM, deputado Elmar Nascimento: “se não piorar, melhorar que não vai. Vamos aguardar, mas os embates desnecessários não trazem nada que vá melhorar o relacionamento político”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que acompanhou pessoalmente a maior parte da sessão, disse que Paulo Guedes foi bem e minimizou as faíscas com deputados, citando a pouca experiência do ministro em debates na Casa.

O vice-líder do governo, deputado Darcisio Perondi (MDB), destacou a firmeza do ministro, afirmando que o debate ainda vai se aprofundar: “preparadíssimo, respondeu com muita segurança, mas a discussão hoje é da constitucionalidade”.

Deputados de oposição disseram que faltou a Paulo Guedes maior clareza nas respostas e apresentar dados e planilhas cobrados por eles.

Pivô da confusão no fim da audiência, o deputado Zeca Dirceu (PT) criticou a postura do ministro: “eu disse o óbvio, que ele é duro, que a reforma sacrifica quem ganha de um a três salários-mínimos. E ele é mole quando se fala de especuladores, banqueiros”.

Nesta quinta-feira (04), a CCJ deve receber grupos de juristas favoráveis e contrários à reforma da Previdência para discutir a constitucionalidade da matéria.

Após a cansativa sessão da quarta-feira, a expectativa é de quórum bem mais baixo.

*Informações do repórter Levy Guimarães