Governo amplia vazão da represa de Jurumirim para recuperar reservatório em SP

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2020 08h20
Cláudio Nascimento/ TV TEMO temor daqueles que vivem na localidade é que a situação volte a ficar crítica, porém as autoridades garantem que a medida não vai prejudicar a população

Depois dos municípios de Avaré e região viverem um drama devido ao baixo nível das águas da represa de Jurumirim, no interior de São Paulo, a Sala de Crise do Paranapanema voltou a se reunir na sede da Agência Nacional de Águas, em Brasília, a fim de avaliar as condições de armazenamento dos reservatórios da bacia.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico anunciou o aumento da defluência mínima da hidrelétrica de Jurumirim passando de 60m³/s para 100m³/s — para aumentar a recuperação do volume do reservatório da hidrelétrica de Chavantes que fica na divisa com o estado do Paraná.

Atualmente Jurumirim está com um volume útil de 31,86%, enquanto Chavantes de 13,85%. Devido à baixa acumulação de Chavantes, o reservatório de Jurumirim será utilizado por estar acima.

Além da ANA e do ONS, também fizeram parte da decisão representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, da CTG Brasil.

A última empresa é responsável pela administração da represa de Jurumirim e dos Comitês da Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema e do Pontal do Paranapanema.

A próxima reunião da Sala de Crise está marcada para a próxima sexta-feira (17), quando ocorrerá uma nova deliberação.

O temor daqueles que vivem na localidade é que a situação volte a ficar crítica, porém as autoridades garantem que a medida não vai prejudicar a população de Avaré e dos municípios banhados pela represa — que tem o curso d’água utilizado para abastecimento, irrigação, navegação, geração de energia elétrica, criação de peixes, lazer, entre outras atividades.

Pelo fato de Jurumirim estar localizada numa das principais estâncias turísticas de São Paulo, a economia desta área do Oeste Paulista depende substancialmente do equilíbrio nos níveis das águas para sobreviver.

*Com informações do repórter Daniel Lian