Governo garante que situação fiscal é melhor do que no início do ano

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2018 08h36
George Gianni/PSDBsecretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirma que a greve dos caminhoneiros e a criação de subsídios ao óleo diesel não vai comprometer as contas públicas

Em meio à instabilidade provocada pelo aumento do dólar e de previsões pessimistas de prejuízos por conta da greve dos caminhoneiros, o Ministério da Fazenda, fez questão de tranquilizar os mercados. O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, garantiu que a situação fiscal nesse momento é até melhor do que era no início do ano e não vê riscos fiscais diferentes dos vistos há seis meses.

O aumento da receita foi acima do esperado e o resultado até abril é compatível com a meta de R$ 159 bilhões de rombo no final do ano. O secretário garantiu que a volatilidade do dólar ainda está muito longe da crise de 2002.

A diferença é que na época o Brasil quase não tinha reservas internacionais. Agora segundo ele o governo tem uma reserva de R$ 570 milhões, e por isso não há necessidade, por exemplo de suspender os leilões de títulos.

Mansueto Almeida garantiu ainda que a greve dos caminhoneiros e a criação de subsídios ao óleo diesel não vai comprometer as contas públicas. O secretário ressaltou que o país pode enfrentar dificuldades no ano que vem, por falta da aprovação da reforma da previdência. Como fato positivo, ele ressaltou, no entanto, a aprovação da re oneração da folha de pagamentos, proposta que estava parada no congresso nacional há dois anos. Segundo ele, além de significar uma receita extra de R$ 9 bilhões em 2019.

*Com informações de Luciana Verdolin