Governo estuda plano para investimento pós-pandemia

  • 23/04/2020 06h43 - Atualizado em 23/04/2020 08h07
FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOA proposta está sendo comparada ao Plano Marshall do governo dos Estados Unidos que previa a recuperação de países aliados na Europa após a segunda guerra mundial

Considerando o cenários após a pandemia do coronavírus, o ministro chefe da casa civil, Braga Neto, apresentou ao presidente Jair Bolsonaro e aos ministros um plano de recuperação voltado para as áreas social e econômica.

Não se sabe ainda o valor que esse plano vai custar, mas a ideia de usar dinheiro público para alavancar a economia, gerar emprego, recuperar infra-estrutura e dar possibilidade para que o país se recupere já acende o sinal de alerta na equipe econômica.

A proposta está sendo comparada ao Plano Marshall do governo dos Estados Unidos que previa a recuperação de países aliados na Europa após a segunda guerra mundial. No entanto, o ministro chefe da casa civil, Braga Neto, nega que seja esse o objetivo.

O secretário de desestatização do governo, Salim Matar, em videoconferência, admitiu que o governo não deverá ter dinheiro para investir em infra-estrutura. Ele ressalta que o programa de privatizações do governo deverá enfrentar dificuldades.

Entretanto, na quarta-feira (22), o ministro da infra-estrutura Tarcísio Freitas afirmou que os projetos de concessão deverão manter o cronograma previsto, com novos editais deverão ser publicados ainda este ano.

Alianças

Depois de mais uma briga com o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, o presidente Jair Bolsonaro quer garantir o apoio do chamado centrão, para não ficar na dependência do presidente da câmara.

Na quarta-feira, ele chamou o presidente do MDB, o deputado Baleia Rossi, e o senador Eduardo Braga para um encontro no Palácio do Planalto para discutir o futuro do país e o apoio que o governo espera dos partidos.

Baleia Rossi lembrou que o MDB tem votado com o governo desde o ano passado. Que está disposto a ajudar o país a sair da crise. Ele negou , no entanto, que a conversa tenha passado por distribuição de cargos.

Ainda nesta quinta-feira (23), o presidente Bolsonaro deve se reunir com o presidente do Democratas (DEM), prefeito de Salvador, ACM Neto. O DEM é o partido de Rodrigo Maia e do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido depois de desentendimentos com o presidente da república.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin