Governo vai manter prioridade para pacientes graves em testes, diz secretário

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2020 08h10 - Atualizado em 19/03/2020 09h04
EFE/EPA/MOHAMED HOSSAMDe acordo com o Ministério da Saúde, mais de 15 mil testes produzidos pela Fiocruz já foram distribuídos aos Laboratórios Centrais

Os laboratórios Centrais de Saúde Pública de todos os estados e do Distrito Federal já podem fazer exames para diagnosticar o novo coronavírus. Até então, apenas a Fiocruz, no Rio de Janeiro; o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo; e o Instituto Evandro Chagas, no Pará, realizavam os testes específicos para a covid-19.

Segundo o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, a meta agora é ampliar a capacidade brasileira em identificar o vírus. “Apesar da emergência ser tão preocupante para a sociedade, ela vai deixar legados importantes. Uma delas é a capacidade laboratorial.”

O secretário também ressalta que toda a rede nacional de laboratórios será automatizada, começando pelo Laboratório Central do Pará.

Nesta quarta-feira (18), a capital, Belém, registrou o primeiro caso confirmado do novo coronavírus no estado.

Segundo o governador Helder Barbalho, o paciente foi infectado durante viagem ao Rio de Janeiro. “Nós já fizemos contato com o paciente. Ele está em seu domicílio, esteve hospitalizado e a condição de saúde está sob controle, estável. Ele tem 37 anos.”

Ainda de acordo com o secretário Wanderson de Oliveira, apenas pacientes com sintomas ou casos graves serão testados para o coronavírus. “Não existe nenhum lugar no mundo que testa todas as pessoas. Não tem suprimento para isso.”

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 15 mil testes produzidos pela Fiocruz já foram distribuídos aos Laboratórios Centrais. Outros 10 mil devem ser enviados até o fim da semana.

A expectativa é que a pasta tenha quase 1 milhão de testes disponíveis em um prazo de 2 meses.

*Com informações da repórter Letícia Santini