Greve afeta serviços públicos e deixa milhares de alunos sem aula

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2018 08h44
JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOUsuários do transporte coletivo no Rio de Janeiro (RJ), nesta segunda (28), sofrem dificuldades para chegar ao trabalho, com frota reduzida em 40%

A greve dos caminhoneiros afeta serviços públicos e deixa milhares de alunos sem aula nesta segunda-feira (28). Universidades públicas e privadas liberaram estudantes e ainda não sabem quando as atividades serão retomadas.

Em São Paulo, a USP suspendeu todas as aulas dos cursos de graduação até quarta-feira (30).

No Rio de Janeiro, as principais instituições de ensino superior ficarão paradas por tempo indeterminado. Escolas e creches municipais do Rio estão fechadas hoje, e 650 mil alunos estão sem aula.

O prefeito Marcelo Crivella diz que a situação da rede municipal de ensino será avaliada diariamente. “Queremos e torcemos para que na terça-feira (29) as aulas voltem ao normal”, afirmou.

Apesar da redução na frota de ônibus, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, garante que os serviços de saúde não serão afetados.

A situação não se repete no Distrito Federal, onde foram adiadas as consultas de especialidades nos hospitais e nas policlínicas. As aulas na rede pública de Brasília estão suspensas nesta segunda, mas as creches funcionarão normalmente.

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, tentou tranquilizar quem depende do transporte público:

“Todas as empresas de ônibus conseguiram abastecer com o apoio da Polícia Militar. Os ônibus funcionarão normalmente durante toda esta segunda-feira (28), mas vamos pedir uma operação especial do metrô, com mais trens”, disse.

Rollemberg reforça que está garantido o abastecimento de ambulâncias e viaturas da Polícia Militar.

Por falta de material, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo suspendeu todas as cirurgias não emergenciais marcadas para esta segunda.

Os pacientes serão avisados e os procedimentos agendados poderão ser remarcados.

Para minimizar a crise do abastecimento, sobretudo nas escolas, o prefeito da capital paulista, Bruno Covas, suspendeu a restrição à circulação de caminhões.

A prefeitura de São Paulo estima que entre 60% a 80% dos ônibus circulem normalmente nesta segunda na cidade.

A coleta de lixo na capital paulista opera normalmente até esta terça cedo, mas a coleta seletiva segue suspensa.