Grupo jurídico se divide sobre prisões e habeas corpus de Temer, Moreira Franco e mais seis

  • Por Jovem Pan
  • 26/03/2019 06h25
Agência BrasilO assunto acabou dividindo o grupo jurídico e até do Supremo Tribunal Federal

As prisões e os habeas corpus do ex-presidente Michel Temer, do ex-ministro Moreira Franco e outros seis investigados na Operação Lava Jato no Rio de Janeiro dividiram o mundo jurídico.

O MDB editou nota comemorando a decisão do desembargador do TRF2, que não aceitou os argumentos para a prisão preventiva. Ele defendeu que não houve novidades no inquérito que justificasse as prisões.

Mas o assunto acabou dividindo o grupo jurídico e até do Supremo Tribunal Federal.

O ministro Marco Aurélio Mello disse que não analisou o habeas corpus e não conheceu do pedido com argumento de que haveria outras instâncias a serem acionadas. Nenhum embate levou em conta indícios do inquérito, mas argumentos de prisão preventiva.

*Informações do repórter José Maria Trindade