Guedes acena a governadores do Nordeste com ‘Plano Mansueto’

O plano permite que Estados extremamente endividados garantam um crédito extra

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2019 06h41
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilEm contrapartida eles terão que se comprometer a adotar medidas de ajuste como, por exemplo, a venda de estatais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se comprometeu com os governadores do Nordeste a apresentar na semana que vem o chamado Plano Mansueto, que vai permitir que Estados extremamente endividados garantam um crédito extra para pagamento de funcionários e fornecedores.

A promessa é de que sejam injetados R$ 10 bilhões em obras nos Estados. Em contrapartida eles terão que se comprometer a adotar medidas de ajuste como, por exemplo, a venda de estatais.

Os governadores estiveram reunidos com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto nesta quinta-feira (09). Segundo o governador do Maranhão, Flávio Dino, que está em Brasília desde o início da semana em conversas com integrantes do Governo Federal, a avaliação nesse momento é que houve um pequeno avanço.

Flávio Dino, no entanto, ressaltou que não houve nenhuma resposta aos governadores sobre o pedido de se aumentar os recursos do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação), nem de se rever os cortes no Ministério da Educação.

Esse foi o segundo encontro essa semana do presidente com os governadores. Na quarta-feira (08) foi apresentada uma carta assinada por todos os Estados, com seis pontos prioritários. Nesta quinta, o Nordeste pediu também que sejam retomadas as obras paradas no país.

O Governo tem sinalizado de que antes de se discutir qualquer benefício aos Estados é preciso votar a reforma da previdência, que vai beneficiar também os governadores, que trabalham nos bastidores para evitar alterações que limitem as novas regras apenas ao Governo Federal.

O governador do Piauí, o petista Welington Dias, negou que o Nordeste faça oposição ideológica à reforma da Previdência, mas ressaltou que não dá para discutir o texto atual.

Assim como o governador do Maranhão, Welington Dias também defendeu mudanças no BPC (Benefício de Prestação Continuada) paga a idosos de baixa renda e aposentadoria rural.

O porta-voz da Presidência, Rêgo Barros, evitou se comprometer com as reivindicações, mas afirmou que o Governo vai fazer todo o possível para atender as demandas.

*Informações da repórter Luciana Verdolin