Guedes nega ‘antagonismo’ entre Planalto e Congresso e vê clima para avanço da reforma

  • Por Jovem Pan
  • 29/05/2019 06h42 - Atualizado em 29/05/2019 09h50
Suamy Beydoun/Estadão ConteúdoPaulo Guedes diz que todos estão buscando 'melhorar o país'

Numa tentativa de demonstrar harmonia entre os três poderes, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta terça-feira (29) com os presidentes da Câmara, deputado Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, para um café da manhã no Palácio da Alvorada.

O objetivo é viabilizar a assinatura de um pacto entre os três poderes pela reforma da Previdência, reforma tributária, o novo pacto federativo, melhorar a segurança pública e garantir a desburocratização no país. Em busca de uma melhor relação com os parlamentares, o presidente recebe também nesta quarta (29) para um café da manhã parlamentares do Novo. Na semana passada, recebeu parlamentares do Nordeste.

Segundo o porta voz da presidência, Rêgo Barros, o presidente Jair Bolsonaro fez questão de ressaltar o caráter amistoso do encontro que teve como objetivo, segundo ele, discutir o futuro do país.

“Ficou determinado que as assessorias dessas autoridades trabalharão de forma colaborativa em um documento que deverá firmado na semana posterior à nossa viagem à Argentina”, declarou.

A expectativa é de que o pacto seja assinado no próximo dia 10 de junho. O ministro da Economia, Paulo Guedes ressaltou o clima de cordialidade entre as principais autoridades do país e disse estar confiante de que o Congresso vai aprovar a reforma.

“Um café da manha excelente, ambiente ótimo, não é esse antagonismo, estão todos buscando melhorar o país”, afirmou Guedes.

Seguindo o discurso oficial, o ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ressaltou que o encontro serviu para mostrar que hoje existe entrosamento entre as autoridades.

“Estabelece uma continuidade do diálogo, construção de harmonia, não podemos esquecer que há algum tempo atrás muitos conflitos aconteceram entre os poderes do Brasil e isso não ajuda o cidadão que hoje precisa de um emprego”, disse.

O presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, já avisou que antes de formalizar o compromisso, espera a versão final do texto para apresentar às lideranças da casa. Ele garante que a iniciativa nada tem a ver com as recentes manifestações no país. Que a ideia já havia sido apresentada há cerca de dois meses pelo ministro Dias Toffoli. Mas admite que é preciso ficar atento às reivindicações populares.

Ontem o presidente Bolsonaro também recebeu representantes das confederações nacionais aqui no Palácio do Planalto. Eles vieram prestar apoio formal à reforma da previdência. O presidente da CNA, da Confederação Nacional da Agricultura, João Martins, anunciou que a ideia do grupo é investir algo em torno de R$ 1 bilhão no Nordeste. Garante que a possibilidade de cortes no chamado sistema S não preocupa e não inviabiliza o investimento.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem sinalizado a intenção de redirecionar parte dos recursos que são destinados hoje ao Sebrae, Senai e Sesi. O governo fala em cortes de 30 a 50% do total.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin