IML confirma que morte de advogada no PR foi por esganadura e não por queda de apartamento

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2018 08h18
Reprodução De acordo com as investigações da polícia, o marido teria carregado o corpo dela de volta ao apartamento após a queda

O laudo do Instituto Médico Legal do Paraná confirmou que Tatiane Spitzner foi morta por asfixia mecânica, causada por esganadura com sinais de crueldade.

O documento comprova que a advogada não morreu por causa da queda do quarto andar do edifício onde morava com o marido, Luiz Felipe Manvailer, na cidade de Guarapuava. De acordo com o diretor do IML do Paraná, os primeiros exames realizados por legistas locais já indicavam uma morte violenta, confirmada nesta quinta-feira (20).

Paulino Pastre explicou que o novo laudo também mostrou altos níveis de álcool no sangue da vítima, o que poderia ter dificultado a defesa dela. O diretor do IML também afirmou que Tatiane possuía vários ferimentos, indicativos de que ela tentou se defender.

O laudo foi concluído quase dois meses depois da morte. Tatiana Spitzner morreu na madrugada do dia 22 de julho. De acordo com as investigações da polícia, o marido teria carregado o corpo dela de volta ao apartamento após a queda.

Imagens de circuito interno mostram diversas agressões de Luiz Felipe Manvailer contra Tatiane. Ele foi preso no mesmo dia da morte e responde processo por feminicídio, mas nega as acusações.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto