Impacto do coronavírus no setor aéreo deve ser pontual, diz Tarcísio

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2020 06h31 - Atualizado em 04/03/2020 08h54
Marcelo Chello/Estadão ConteúdoSegundo o ministro, apesar da proliferação da doença, as companhias aéreas estrangeiras não suspenderam os planos de operarem no Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, acredita que a epidemia do novo coronavírus deve ter um impacto pontual nas companhias aéreas brasileiras neste início de ano.

Na segunda-feira (2), a Latam suspendeu temporariamente os voos entre São Paulo e Milão após a confirmação de dois casos do Covid-19 em pacientes brasileiros que estiveram na Itália. Entretanto, de acordo com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, os efeitos são momentâneos e devem ser superados nos próximos meses, principalmente com o possível desenvolvimento de vacinas.

Freitas também diz que, apesar da proliferação da doença, as companhias aéreas estrangeiras não suspenderam os planos de operarem no Brasil. Para ele, os investidores ainda enxergam o potencial do mercado brasileiro de aviação.

“O pessoal está pensando a longo prazo, na potência que é esse mercado consumidor, mais companhias olhando o mercado brasileiro. Estamos dando os passos corretos na direção correta, significa que nós temos o Brasil que está em transformação”, declarou.

Durante evento que premiou os melhores aeroportos nacionais, o ministro afirmou que o coronavírus não deve impedir que empresas de baixo custo voem para o Brasil. Segundo ele, o Brasil vai ampliar ainda mais o número de companhias aéreas low cost atuando no país.

Tarcísio também destaca que medidas estão sendo tomadas para atrair mais empresas. “Estamos indo na direção correta, fazendo as concessões, esse ano ainda serão mais 22, simplificar a regulação, eliminar o adicional de tarifa para embarque internacional.”

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) afirmou que não há necessidade de restrições ao tráfego aéreo internacional por causa do coronavírus. No entanto, a ANAC esclarece que alterações ou cancelamentos de passagens aéreas feitos pelo passageiro podem gerar cobranças ou eventuais multas.

*Com informações da repórter Letícia Santini.