Imprensa britânica repercute liderança de Bolsonaro e risco de ‘tipo único de crise financeira’

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 05/10/2018 09h40
Wilson Dias/Agência BrasilFinancial Times: Mistura de Rodrigo Duterte com Donald Trump, Bolsonaro é o primeiro político de extrema-direita com chance real de liderar o Brasil desde a ditadura militar

Faltando pouco dias para o primeiro turno das eleições no Brasil, algumas publicações da Inglaterra publicaram textos interessantes sobre a situação sui generis que se avizinha.

Vamos começar pela The Economist, revista liberal que algumas semanas atrás disse que Jair Bolsonaro era uma ameaça à democracia na América do Sul.

Nesta sexta-feira (05), o artigo da revista começa com a seguinte manchete: Brasil está formando um tipo único de crise financeira.

O texto avalia que a situação do país é peculiar porque a inflação está baixa, as reservas cambiais são muito superiores à dívida externa e a conta corrente está equilibrada. Muito diferente de outros emergentes em crise, como Argentina e Turquia.

O problema do Brasil, segue a Economist, é que as despesas do governo estão num caminho perigoso, com a dívida pública saltando de 60 para 84% do PIB em apenas quatro anos.

Se o país fosse diferente, a classe política tentaria equilibrar os interesses de investidores, pensionistas, funcionários públicos e o resto do país. No entanto, a conta está sendo paga pela última categoria.

E como as duas figuras que lideram a corrida presidencial não demonstram capacidade de controlar o Congresso para aprovar as reformas estruturais necessárias, a bomba já pode estourar em 2020.

Ainda dá para resolver, conclui a Economist, mas se nada for feito o declínio do Brasil será rapidamente dramático.

Já o Financial Times, também de Londres, publica texto analisando por que Jair Bolsonaro lidera as pesquisas.

Mistura de Rodrigo Duterte com Donald Trump, Bolsonaro é o primeiro político de extrema-direita com chance real de liderar o Brasil desde a ditadura militar, afirma o jornal.

O FT segue: “mais brasileiros foram assassinados na última década que na guerra civil da Síria.” E o discurso do candidato para a área de segurança deve fazer com que ele vença o primeiro turno.

O Financial Times ainda destaca a mobilização em torno de Ciro Gomes nos últimos dias que pode acabar sendo um surpresa de última hora na eleição presidencial.