Inadimplência nas contas de luz aumenta 12% na pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2020 06h46 - Atualizado em 08/05/2020 07h42
PixabayBento Albuquerque ressalta que o atraso do pagamento gera R$ 1,8 bilhão ao setor elétrico, que perdeu 20% da demanda

Diante de uma média histórica de 3%, a inadimplência nas contas de luz chegou a 12% após o avanço da covid-19. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, apresentou os impactos da pandemia em live realizada com ministros do Tribunal de Contas da União.

Bento Albuquerque ressalta que o atraso do pagamento gera R$ 1,8 bilhão ao setor elétrico, que perdeu 20% da demanda, equivalente ao Nordeste. O destaque negativo fica para a região Sul, com queda no consumo de 26%.

Durante a transmissão, o ministro analisou o potencial de recuperação do Brasil. “Nós já estamos há 50 dias nisso aí [pandemia], um país continental como o Brasil, com mais 210 milhões de habitantes, não faltou energia, não faltou combustível, não faltou mineral, que são todas atividades essenciais.Ou seja, não só o setor público reagiu, como o setor privado também reagiu.”

Ele lembrou que os leilões de petróleo realizados no ano passado atingiram R$ 84 bilhões contra R$ 50 bilhões nos últimos 20 anos, leilões que seriam impossíveis em 2020.

O ministro ressalta a queda de 20% no consumo do diesel, 35% na gasolina, 49% no etanol, que teve safra recorde e 33% no gás natural. Além disso, com a tempestade perfeita no petróleo, avanço da covid-19 e crise geopolítica, o barril do petróleo Brent desabou 71%.

Em contrapartida, Bento Albuquerque destaca os setores de mineração e agronegócio, que praticamente não foram atingidos pela crise.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos