Incêndio em galpão próximo ao Aeroporto de Guarulhos pode ter sido causado por balão, diz Corpo de Bombeiros

Fogo atingiu uma área de quase 4 mil metros quadrados e levou cerca de três horas para ser extinto; soltura de balões é tipificado crime ambiental

  • Por Jovem Pan
  • 28/04/2022 07h03 - Atualizado em 28/04/2022 11h52
Reprodução / @BombeirosPMESP Incêndio em Guarulhos Incêndio do galpão próximo ao Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, ocorrido na noite desta quarta-feira, 27

O incêndio do galpão próximo ao Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, ocorrido na noite desta quarta-feira, 27, pode ter sido causado por um balão. As chamas começaram por volta das 19 horas no local, que pertence a uma transportadora e abrigava diferentes itens, sendo a maioria de papelão e plástico. Moradores da região relataram ao Corpo de Bombeiros que um grupo de garotos estava correndo atrás de um balão, que caiu sobre o local. A soltura de balões é tipificado crime ambiental, explicou o tenente Nilo André Lemos em entrevista à Jovem Pan News. “Caso se confirme como o fato causador desse incêndio, a gente tem mais um exemplo do quão trágico isso pode se tornar para a empresa e todos os moradores”, afirmou. O incidente aconteceu na rua São Miguel dos Campos, altura do número 793, no bairro Vila Barros. A Polícia Militar e a Defesa Civil também foram acionadas e isolaram mais de 20 residências para segurança dos moradores. Nesta quinta-feira, 28, o Corpo de Bombeiros continua atuando no galpão de armazenagem com a participação de cinco equipes para controle do rescaldo. “Aproximadamente 14 horas de trabalho contínuo”, informou a corporação nas redes sociais. 

Moradora da região há mais de 50 anos, Cátia Simone relata que foi uma das primeiras a perceber o incêndio. “Começou aquela fumaça preta horrível, aí começaram a sair as pessoas da casa, porque tinha botijão de gás e as pessoas ficaram apavoradas.” O fogo espalhou rapidamente por uma área de quase 4 mil metros quadrados e uma coluna de fumaça podia ser vista de longe. Ao todo, 90 membros do Corpo de Bombeiros trabalharam para conter as chamas por cerca de três horas. Apesar do fogo intenso e fumaça, a operação no aeroporto não chegou a ser afetada e ninguém ficou ferido. “Tivemos apenas uma vítima atendida pelo Corpo de Bombeiros, que foi uma moradora de uma residência do entorno que inalou fumaça. Após avaliação médica foi liberada e não quis ir ao hospital”, finaliza o tenente Nilo André Lemos.

*Com informações do repórter Victor Hugo Salina