Incêndio florestal em Portugal segue para o sul do país e ameaça cidades turísticas

  • Por Jovem Pan
  • 08/08/2018 06h57
EFEO presidente de Portugal, Marcelo Rabelo, está em alerta para que não se repita a tragédia do ano passado, quando 114 pessoas morreram

Mais de mil bombeiros trabalham dia e noite para combater os incêndios que já duram cinco dias na região turística do Algarve, no sul de Portugal, conhecida por suas lindas praias. O governo de Portugal transferiu o comando dos serviços de emergência para a esfera federal.

O incêndio começou nas florestas de eucaliptos e pinheiros nas colinas, mas segue firme para o litoral, onde milhares de turistas estrangeiros e locais passam férias todos os anos.

O presidente de Portugal, Marcelo Rabelo, está em alerta para que não se repita a tragédia do ano passado, quando 114 pessoas morreram.

Desde o início dos incêndios, na última sexta feira, 44 pessoas foram atendidas pelos serviços médicos, a maior parte com intoxicação pela fumaça ou com queimaduras leves. Uma mulher de 72 anos está em estado grave e foi transferida para Lisboa.

Os bombeiros contam com o auxílio de helicópteros, aviões e mais de 300 veículos para tentar conter as chamas. O Exército mandou 160 soldados para ajudar na retirada dos moradores e dos visitantes das localidades de Monchique e de Foia. Diversos hotéis foram esvaziados.

Durante o fim de semana, o país viveu uma onda de calor, com os termômetros chegando a 44 graus em Lisboa, a maior temperatura dos últimos 37 anos.

*Informações do repórter Victor Moraes