Incêndio no Museu Nacional, no RJ, é destaque na imprensa internacional

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 03/09/2018 08h11 - Atualizado em 03/09/2018 09h28
EFEO The Guardian também traz grande repercussão sobre o incêndio no Museu Nacional lembrando que faltou água para os hidrantes ao redor do prédio histórico

É até redundante começar falando sobre o fascínio que os europeus em geral, mas especialmente os britânicos, têm por museus, preservação da história, coleções de arqueologia em geral.

Por isso o incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro causa grande comoção por essas bandas também, com destaque de primeira página nas versões digitais de todos os grandes jornais do continente.

A BBC destaca que a maior parte dos 20 milhões de itens que faziam parte do acervo do museu acabou destruída, incluindo o fóssil Luzia, o esqueleto mais antigo já encontrado nas Américas.

A correspondente da estatal britânica no Rio diz que o incêndio é uma metáfora cruel não apenas para a cidade mais famosa do Brasil, mas como para toda a situação em que o país se encontra.

Violência crescente, profundo declínio econômico e corrupção política foram combinados para transformar o Rio em uma mera sombra do que um dia a cidade já foi.

O The Guardian também traz grande repercussão sobre o incêndio no Museu Nacional lembrando que faltou água para os hidrantes ao redor do prédio histórico, mas sobraram recursos para construir o chamado museu do amanhã justamente na mesma cidade.

Ainda aqui na Inglaterra, o Financial Times destaca que os serviços públicos no Brasil estão em declínio há vários anos por causa da crise que atinge as contas públicas. O Rio acabou sendo um dos mais atingidos, o que resultou numa escalada da violência na cidade.

Na Espanha, o El País destaca a percepção na comunidade científica de que o incêndio é um reflexo da negligência do Brasil com a sua memória.

O jornal madrilenho lembra que este não é o primeiro incêndio em museu no Brasil. Em 2016, a Cinemateca Nacional em São Paulo pegou fogo e foram perdidas cerca de mil obras da coleção de filmes lationamericanos.

Sem contar o incêndio no Museu da Língua Portuguesa, um ano antes, também na capital paulista.

Para fechar, o Le Monde na França lembra que 200 anos da história brasileira viraram cinzas nas chamas que consumiram o palácio que um dia abrigou a família real portuguesa e imperial brasileira.