Intervenção no Rio é “populismo em cima de mortes”, diz Boulos

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2018 11h06 - Atualizado em 23/05/2018 11h50
João Henrique Moreira/Jovem PanPré-candidato à Presidência Guilherme Boulos participa de entrevista ao Jornal da Manhã da Jovem Pan nesta quarta-feira (23)

O pré-candidato do PSOL à Presidência Guilherme Boulos criticou a intervenção federal no Rio de Janeiro e defendeu uma política pública de segurança de “integração e inteligência”, “e não de porrada, tiro e pancadaria”, criticando o discurso do deputado-federal e pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL).

“A intervenção no Rio de Janeiro não resolve. Foi populismo em cima de mortes para o (presidente Michel) Temer tentar ganhar algum tipo de popularidade”, avaliou Boulos, destacando que a violência no Estado aumentou em um mês de intervenção.

“Quando alguém tem que botar tanque na rua, é sinal de que a sociedade está em crise e não está saudável”, disse. “O modelo de segurança pública no Brasil é violento, ineficaz e caro”, classificou.

“Temos no Brasil a polícia que mais mata e a polícia que mais morre”, citou o pré-candidato, dizendo que “isso não se resolve com mais violência”.

“Isso se resolve com inteligência e integração, não com pancadaria. Não é distribuindo arma para as pessoas como o pré-candidato que veio ontem aqui (Jair Bolsonaro, PSL) defende a torto e a direito”, criticou.

“Nós vamos resolver o problema de segurança pública no Brasil com a unificação, o ciclo completo das polícias, que está parado na PEC 51 no Senado há um bom tempo, investindo em inteligência para combater o tráfico de armas, investindo em integração, e não em porrada, tiro e pancadaria, como se choque resolvesse tudo”.

Assista à entrevista completa de Guilherme Boulos ao Jornal da Manhã da Jovem Pan: