Intervenção no RJ é saída honrosa para falta de votos para a reforma da Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2018 06h09
Reprodução/Facebook A indicação é de que a reforma da Previdência está mesmo descartada no Congresso, apesar da janela aberta pelo presidente Michel Temer

A opção pela intervenção federal no Rio de Janeiro foi política e do PMDB. O Governo prepara agora a complementação e, principalmente, o financiamento das operações no Estado.

A indicação é de que a reforma da Previdência está mesmo descartada no Congresso, apesar da janela aberta pelo presidente Michel Temer, de que, em caso de votos favoráveis, a intervenção seria suspensa.

O Governo não tem os 308 votos necessários para aprovar a emenda da Previdência, e a pauta do Congresso também já mudou.

Pesquisas indicam que o setor de segurança pública é a grande preocupação do eleitor, andando lado a lado com a saúde. É por aí que deputados e senadores apostam na sobrevivência política, ou seja, a reeleição.

Além do decreto de intervenção, o plenário da Câmara vai discutir projetos na área de segurança pública, inclusive a abertura para a posse de armas em casa.

*Informações do repórter José Maria Trindade