Jornalistas brasileiros passam 30 horas detidos por forças de Maduro

  • Por Jovem Pan
  • 19/06/2019 07h00
Rayner Peña/EFEJornalistas utilizavam drone quando foram pegos, suspeitos de espionagem

Depois de passar quase 30 horas detidos, três fotógrafos brasileiros foram liberados na Venezuela. Luan José Soares Silvas, Diego da Silva Veras – ambos de Roraima – e Gabriel de Rezende, do Espírito Santo, faziam imagens em uma área de segurança na Aduana de Santa Elena, perto de Pacaraima, na fronteira com o país vizinho.

De acordo com autoridades brasileiras, os profissionais chamaram atenção da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) porque usavam um drone para gravar vídeos. Eles estavam retratando a situação da Venezuela e iriam vender o conteúdo para veículos de comunicação.

O uso do drone, no entanto, fez com que a GNB suspeitasse que eles estavam espionando o território. Os três foram levados para o quartel da Guarda em Santa Elena, onde passaram a noite e tiveram os equipamentos apreendidos pelos agentes.

O fotógrafo Gabriel Rezende agradeceu ao Consulado do Brasil em Santa Elena. “A gente estava prestes à ir para uma situação bem delicada, bem complicada, e acredito que o pessoal aqui do Consulado teve bastante influência e bastante preparo para agir sobre essa situação”, disse.

Os equipamentos de fotografia foram devolvidos, mas todas as imagens foram deletadas pela Guarda Nacional Bolivariana.

*Com informações da repórter Nanny Cox