Jornalistas são ameaçados no Sindicato dos Metalúrgicos, no ABC; Abraji lança nota de repúdio

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2018 06h17
Peter Leone/Estadão ConteúdoOs militantes também tentaram entrar na sala onde estavam os profissionais da imprensa

Logo no início da manhã desta sexta-feira (06), por volta das 05h30, os apoiadores do petista que estão no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, ficaram irritados com fotógrafos e câmeras que tentavam mostrar que o número de pessoas diminuiu em frente ao prédio – em relação à mobilização vista na noite desta quinta.

Os militantes também tentaram entrar na sala onde estavam os profissionais da imprensa. Por segurança, repórteres, fotógrafos e câmeras foram do térreo para o terceiro andar do sindicato. O policiamento no local, segundo informações, é pequeno, e são alguns representantes do sindicato que ajudaram a proteger a imprensa.

Na noite desta quinta, um fotógrafo da agência Estadão Conteúdo foi, inclusive, atingido por ovos arremessados por quem estava no Sindicato a favor de Lula.o agressor, segundo a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) usava camiseta da CUT.

As hostilidades contra jornalistas na noite desta quinta levaram a Abraji a lançar nota de repúdio às agressões verificadas em São Bernardo e no Distrito Federal. Equipes de jornalismo do SBT, Correio Braziliense e Reuters foram vítimas dos ataques.

Confira abaixo a nota da Abraji na íntegra:

Na noite desta quinta-feira (5.abr.2018), jornalistas e fotojornalistas foram agredidos e ameaçados por pessoas contrárias ao pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foram registrados casos em Brasília e em São Paulo.

Em frente à sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na capital federal, pelo menos 30 manifestantes avançaram sobre um carro do Correio Braziliense, dentro do qual estavam uma repórter, uma fotógrafa e o motorista, e quebraram um dos vidros do veículo. Além da agressão física, os manifestantes também gritaram ofensas à imprensa e ao jornal. Ninguém foi ferido. A Polícia Civil do DF foi informada do ocorrido e a equipe registrou ocorrência na Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado.

Um dos manifestantes ameaçou a equipe do SBT, que chegou a ser cercada: “Vocês vão sair daqui pro bem de vocês”, disse ao cinegrafista Magno Lúcio, que estava acompanhado de uma produtora. Um fotógrafo da Reuters também foi hostilizado e teve de deixar o local.

Os profissionais estavam no local para cobrir o protesto convocado pela CUT-DF em defesa de Lula.

Nilton Fukuda, da agência Estadão Conteúdo, foi atingido com ovos em São Bernardo do Campo (SP) ao registrar manifestações em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, para onde o ex-presidente se dirigiu no início da noite. O agressor vestia uma camiseta da CUT.

A Abraji repudia as agressões e hostilidades às equipes do Correio Braziliense e do SBT, ao fotógrafo da Reuters e a Nilton Fukuda. A violência contra profissionais da imprensa é inaceitável em qualquer contexto. Impedir jornalistas de exercer seu ofício é atentar contra a democracia. Os autores devem ser identificados e punidos pelas autoridades.