Jungmann: União acompanha situação em penitenciária onde está Marcola, em SP

  • Por Jovem Pan
  • 14/11/2018 07h09 - Atualizado em 14/11/2018 08h50
Marcelo Camargo/Agência BrasilA cidade do oeste paulista está com a rotina alterada há mais de um mês em razão da possibilidade de um plano de fuga de lideranças do Primeiro Comando da Capital

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a União acompanha a movimentação policial em Presidente Venceslau, mas que só vai intervir em caso de pedido do governo de São Paulo.

A cidade do oeste paulista está com a rotina alterada há mais de um mês em razão da possibilidade de um plano de fuga de lideranças do Primeiro Comando da Capital.

O aeroporto municipal está fechado desde o dia 10 de outubro e policiais militares da tropa de choque reforçam o patrulhamento na área.

O ministro Raul Jungmann confirmou nesta terça-feira (13), em São Paulo, que está monitorando a situação, mas que qualquer pedido de ajuda ou transferência de presos deve ser feito pelo Palácio dos Bandeirantes.

O plano interceptado pelas autoridades previa a possibilidade do PCC usar mercenários, aeronaves e até lança-foguetes para romper o perímetro da penitenciária Dois de Presidente Venceslau.

O estabelecimento penal aloja Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, um dos líderes máximos do grupo, além de outros integrantes da facção.

*Informações do repórter Tiago Muniz