Justiça britânica impede acesso de Maduro a ouro venezuelano

O autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, é quem terá acesso às 30 toneladas do metal, que equivalem a cerca de US$ 1 bilhão

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2020 06h50 - Atualizado em 03/07/2020 08h27
EFE/ Rayner PeñaAs autoridades britânicas reconhecem Guaidó como representante legal do país e consideram o regime do Chavista como uma doutrina "ilegal e de voz única"

A Justiça britânica negou o pedido do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, de acessar o ouro venezuelano que está na Inglaterra. Ficou decidido que o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, é quem terá acesso às 30 toneladas do metal, que equivalem a cerca de US$ 1 bilhão. As autoridades britânicas reconhecem Guaidó como representante legal do país e consideram o regime do Chavista como uma doutrina “ilegal e de voz única”.

O opositor já havia entrado com um pedido às autoridades britânicas para que o ouro não fosse entregue a Maduro, que solicitou o montante alegando ser necessário utilizar esta verba no combate ao coronavírus na Venezuela. Mas a justiça inglesa não acatou.

A representante do governo Chavista, Delcy Rodriguez,  considerou a decisão como “absurda e alucinante” e acusou juan guaidó de “orquestrar um plano de ações para roubar o dinheiro pertencente ao povo venezuelano”.  Já o líder da oposição comemorou a decisão pelas redes sociais. Ele disse ter recebido o reconhecimento da corte inglesa e afirmou que o ouro permanecerá no país ” protegido” do que ele chamou de “as garras da ditadura”

*Com informações da repórter Camila Yunes