Justiça começa a ouvir testemunhas no processo sobre a morte do jogador Daniel

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2019 06h22
Rubens Chiri/ DivulgaçãoNesta segunda-feira (18) foram ouvidas 10 testemunhas de acusação. Entre elas, a mãe de Daniel, Eliana Aparecida Correa Freiras; a tia do jogador, e a ex-namorada dele

Começaram nesta segunda-feira (18) as audiências de instrução do processo que investiga a morte do jogador Daniel Correa Freitas na 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Sete pessoas são rés na ação: Edison Luiz Brittes Júnior, assassino confesso de Daniel, Cristiana Rodrigues Brittes, mulher dele e Allana Brittes, filha do casal e que deu a festa de aniversário na noite do dia 26 de outubro, que antecedeu o crime bárbaro, além de outras quatro pessoas que estavam na casa no dia da morte do jogador.

A expectativa é que as audiências de instrução continuem até quarta-feira (20). Primeiro, devem ser ouvidas as testemunhas de acusação e depois, as de defesa. Em seguida, vêm o interrogatório dos réus e as alegações finais, quando ocorre a apresentação dos argumentos finais das partes envolvidas.

Por fim, a juíza decide se os réus enfrentam, ou não, o júri popular.

Nesta segunda-feira (18) foram ouvidas 10 testemunhas de acusação. Entre elas, a mãe de Daniel, Eliana Aparecida Correa Freiras; a tia do jogador, e a ex-namorada dele.

Daniel, de 24 anos, foi achado morto na zona rural de São José dos Pinhais no dia 27 de outubro. Pouco antes de ser espancado, o jogador foi flagrado por Edison Brittes deitado na cama com a mulher dele Cristiana Brittes. Ele foi parcialmente degolado e teve o órgão genital mutilado.

*Informações do repórter Victor Moraes