Justiça Federal arquiva investigação contra Lulinha na Lava Jato

Juíza que determinou a ação atendeu a um pedido do MPF, que defendeu o arquivamento após o STF apontar que o ex-juiz Sergio Moro era suspeito nos processos em relação a Lula e pessoas ligadas a ele

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2022 08h19 - Atualizado em 18/01/2022 10h47
Alex Silva/Estadão Conteúdo Lulinha, Fábio Luis Lula da Silva Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha

A Justiça Federal arquivou um inquérito que investigava Fábio Luis da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A apuração teve origem na Operação Lava Jato, em Curitiba, mas foi transferida para São Paulo em 2020. Lulinha era investigado por suspeita de receber repasses de mais de R$ 100 milhões do grupo Oi/Telemar para as empresas Gamecorp/Gol, ambas dele. O Ministério Público Federal (MPF) acreditava que as empresas não tinham condições de oferecer os serviços prestados entre 2004 e 2016, período em que o grupo Oi Telemar foi beneficiado por medidas dos governos do partido dos trabalhadores

A Polícia Federal chegou a pedir as prisões temporárias de Fábio Luis e de outros cinco suspeitos, mas os pedidos foram negados. Agora, a juíza Fabiana Alves Rodrigues, da 10ª Vara Criminal Federal de São Paulo, decidiu arquivar o inquérito, aberto após suspeitas levantadas na Lava Jato a partir de decisões do ex-juiz Sergio Moro (Podemos). A magistrada atendeu a um pedido do MPF, que defendeu o arquivamento após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir pela suspeição de Moro nos processos em relação a Lula e pessoas ligadas ao ex-presidente. A defesa de Fábio Luis comemorou a decisão, que determinou ainda a devolução, em até 30 dias, de bens de Lulinha apreendidos durante a investigação.

*Com informações do repórter Fernando Martins