Justiça suspende leilão de usinas da Cemig após questionamentos de valores

  • Por Jovem Pan
  • 22/08/2017 08h28 - Atualizado em 22/08/2017 12h23

Avião da Cemig irá realizar o monitoramento de linhas de energia em Minas Gerais

Avião da Cemig realiza o monitoramento de linhas de energia em Minas Gerais

A Justiça Federal suspendeu o leilão das usinas da Cemig após acatar pedido do advogado Guilherme da Cunha Andrade que enxerga lesão aos cofres públicos e questiona o valor previsto de R$ 11 bilhões, alegando que estaria muito abaixo da realidade.

Na ação ele indica que ao longo dos anos foram feitos investimentos e atualmente as cifras seriam de no mínimo R$ 18 bilhões.

O desembargador Antônio de Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal (TRF) da Primeira Região concedeu liminar suspendendo o leilão das quatro usinas marcado para 22 de setembro.

O governador do Estado de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT) é contrário ao leilão e apontou que fará uma resistência contra a medida: “nós estamos dispostos a arranjar uma solução negociada. O que não queremos é que venham na mão grande botar nossas usinas no leilão para o estrangeiro comprar e depois vender energias cara aos mineiros e mineiras”.

Já o senador mineiro do PSDB, Aécio Neves quer a participação do BNDES: “estamos fazendo esforço enorme na busca de uma saída que seria a Cemig adquirir essas usinas com financiamento do BNDES pago ao longo do tempo com a própria geração de receitas dessas usinas”.

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires destacou que o vai e vem gera insegurança aos interessados e investidores: “isso é muito ruim para novos investidores que pretendam colocar dinheiro no setor elétrico brasileiro”.

Para o especialista, é imprescindível que este conflito seja sanado brevemente e o leilão ocorra ainda este ano.

*Informações do repórter Daniel Lian