Lei do Gás trouxe R$ 11 bilhões ao Brasil no 1º ano, diz Bento Albuquerque

Investimentos devem superar R$ 140 bi em dez anos; legislação permite a venda do sistemas de transporte da Petrobras, novos terminais privados e projetos para substituição de térmicas à diesel

  • Por Jovem Pan
  • 12/04/2022 07h52 - Atualizado em 12/04/2022 11h32
Isac Nóbrega/PR O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia do Brasil

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o Brasil recebeu R$ 11 bilhões em projetos, além da maior competição no setor, após um ano da Lei do Gás. Segundo ele, os investimentos em gás natural devem superar os R$ 140 bilhões em dez anos. Albuquerque participou do seminário Um Ano da Lei do Gás em Aracaju (SE) e afirmou que o mundo passa pela maior crise energética em 50 anos. A legislação sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2021 abriu o mercado do gás natural às empresas privadas com a quebra monopólio da Petrobras. A lei permite a venda do sistemas de transporte da estatal, novos terminais privados e projetos para substituição de térmicas à diesel por gás natural, mais econômicas e menos poluentes.

Segundo Albuquerque, a abertura do mercado deveria ter sido feita há mais de 20 anos, desde a nova lei do petróleo de 1997. “Em 1º de janeiro deste ano, várias distribuidoras estaduais de gás canalizado passaram a ter seus mercados atendidos por novos supridores de gás natural. Onde antes tínhamos apenas uma empresa atuando temos agora sete. Isso é competitividade, é abertura do mercado, que atrai novos agentes e permite a definição do preço justo para o gás natural. E não paramos por aí. No plano decenal de expansão de energia 2031, lançado na semana passada, estima-se que os investimentos no setor de gás natural, um novo mercado de gás, serão da ordem de R$ 140 bilhões nos próximos dez anos”, afirmou o ministro.

Bento Albuquerque lembra que o país passou pela maior crise hídrica da história em 2021 e dois anos de pandemia, mas que, mesmo assim, a produção de petróleo cresceu 14% e de gás natural 19% nos últimos três anos. “20 leilões de geração e transmissão de energia, com investimentos contratados de R$ 70 bilhões. Oito leilões de petróleo e gás, sendo dois dos maiores já realizados no mundo, com investimentos contratados de mais de R$ 650 bilhões”, pontuou.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos