Leite é ‘extraordinária alternativa’ para disputa do PSD à Presidência, diz Kassab

Presidente do Partido Social Democrata admite, no entanto, que a primeira opção da legenda é a candidatura de Rodrigo Pacheco ao Palácio do Planalto: ‘Aclamação’

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2022 11h53 - Atualizado em 19/02/2022 12h24
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite Nesta sexta-feira, 18, Eduardo Leite negou a possibilidade de reeleição no Rio Grande do Sul

O ex-prefeito de São Paulo e presidente do Partido Social Democrata (PSD), Gilberto Kassab, vê como uma “extraordinária alternativa” a possibilidade de filiação do governador Eduardo Leite (PSDB), para disputa à presidência da República. Nesta sexta-feira, 18, o atual tucano negou a possibilidade de reeleição no Rio Grande do Sul. Por isso, seu nome se consolida como uma opção à nova legenda, caso o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), recue do convite feito pelo partido. “Por aclamação Rodrigo foi convidado a ser candidato a presidente da República e ele está fazendo duas avaliações, por ser presidente do Congresso Nacional. É evidente que proximamente ele fará sua avaliação final, terá sua decisão de ser ou não ser candidato”, iniciou Kassab, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, neste sábado, 19.

Segundo o presidente do PSD, embora reconheça que a legenda ficaria “muito feliz” pelo aceite de Pacheco para o convite feito, há um movimento para que Eduardo Leite se filie ao partido e seja candidato. “Vamos ficar muito felizes se ele [Pacheco] decidir pela candidatura. Caso contrário, é evidente que Eduardo Leite é uma extraordinária alternativa. Feliz é o partido que pode ter uma pessoa tão qualificada e honrada como Eduardo Leite”, completou Kassab. 

Questionado sobre uma possível consolidação da chamada terceira via para as eleições de 2022, o ex-prefeito de São Paulo disse ver o movimento mais encabeçado pela sociedade do que pelos partidos. “Importante é que os partidos se apresentem como um nome, com suas propostas. E Rodrigo Pacheco incorpora essas premissas, assim como Eduardo Leite. Então o PSD na hora certa se apresentará com seu pré-candidato e haverá sinergia com a sociedade brasileira, que tem imensa parcela querendo uma terceira via. Acredito muito que teremos, diante da rejeição dos candidatos, o crescimento no momento certo de uma candidatura alternativa e que poderá vencer as eleições”, finalizou.