Liberação indevida de ex-braço-direito de Beira-Mar gera indignação de presidente da Fenapef

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2018 06h01 - Atualizado em 16/07/2018 06h02
ReproduçãoLeomar Oliveira Barbosa, de 55 anos, é considerado um dos maiores chefes do crime organizado no Brasil

Policiais federais reagiram à soltura, por engano, do ex-braço-direito de Fernandinho Beira-Mar, na última sexta-feira (13).

Leomar Oliveira Barbosa, de 55 anos, é considerado um dos maiores chefes do crime organizado no Brasil. Ele havia sido preso em 2011, durante a Operação Casa Nova III, acusado de chefiar uma quadrilha de tráfico de drogas.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, afirmou que a liberação demonstra a falência das instituições: “hoje os policiais federais estão extremamente consternados com a liberação deste preso, porque houve muito esforço para prender este que é braço-direito de um dos grandes comandantes do crime organizado no Brasil e foi solto por falta de controle da nossa instituição prisional”.

Boudens disse que o Ministério da Segurança Pública precisa integrar as instituições para que liberações indevidas como esta não aconteçam. O ex-braço-direito de Fernandinho Beira-Mar está solto desde o dia 4 de julho após ter um pedido de habeas corpus aceito pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello.

No entanto, o criminoso deveria continuar detido no Presídio de Formosa, em Goiás, porque é condenado em outros processos por crimes como sequestro, cárcere privado, roubo e tentativa de homicídio. Foi aberta uma sindicância para apurar a liberação indevida, e servidores envolvidos na soltura foram afastados.

*Informações do repórter Afonso Marangoni