Lira minimiza apoio de Bolsonaro e diz que Rossi também é da base do governo

Em 2020, Baleia votou com o governo em 90% das matérias, enquanto Arthur Lira em 88% das votações

  • Por Jovem Pan
  • 12/01/2021 06h40 - Atualizado em 12/01/2021 08h38
Maryanna Oliveira/Câmara dos DeputadosPara Lira, a diferença é que ele é mais 'afirmativo, reto, franco e direto'

O deputado Arthur Lira, do PP, candidato à presidência da Câmara dos Deputados, minimizou a preferência do presidente Jair Bolsonaro a ele em relação a Baleia Rossi, do MDB. Segundo ele, ambos são igualmente governistas. Ao longo do ano passado, Baleia votou com o governo em 90% das matérias, enquanto Lira acompanhou o Planalto em 88% das votações. Porém, o Rossi é apoiado por partidos de esquerda, enquanto os mais alinhados ao governo estão ao lado de Arthur Lira. Em uma coletiva em Brasília, o deputado disse qual acredita ser a diferença entre ele e o principal adversário. “O outro candidato é tão base de governo quanto a minha candidatura, as duas são da base do governo. O que eu acho que me diferencia do outro candidato é que sou exclamação, eu sou afirmativo, eu sou reto, sou franco, eu sou direto.”

Arthur Lira também buscou afastar a narrativa de que caso seja eleito, vai sempre seguir as orientações do presidente Jair Bolsonaro. “Eu não tenho dono, eu não tenho chefe, eu não tenho tutor, eu não tenho patrocinador. A minha campanha é uma campanha clara, com deputados que estão aqui do DEM, PL, PRB, PSDB, PSL, PSB, PDT, do PP”, disse. O deputado também defendeu o chamado Centrão, grupo do qual ele foi o principal articulador político nos últimos anos e reúne partidos como PP, PL, PSD, Republicanos e Solidariedade. Na visão de Arthur Lira, é o bloco quem dá governabilidade e estabilidade ao país.

“Nós não teríamos a reforma da previdência sem os partidos de centro, Centrão. Eu já fiz inúmeros artigos em jornais defendendo que sempre somos e seremos os tentáculos dos problemas transversais do Brasil, que são maiores do que qualquer período de quatro anos de qualquer presidente. Eu nunca me envergonhei com isso, porque o meu partido é de Centro”, finalizou. Arthur Lira voltou a defender que a eleição à presidência da Câmara ocorra de forma presencial, mesmo que para isso se adote protocolos de segurança para proteger deputados dos grupos de risco. O deputado também disse que, caso eleito, pretende retomar os trabalhos presenciais em fevereiro. Uma das metas é reinstalar a Comissão Mista de Orçamento para analisar a Lei Orçamentária de 2021.

*Com informações do repórter Levy Guimarães